Renutra - Consultoria em Nutrição de Vida
1

MATÉRIA


ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES





Matéria inclusa por Juliana Morais
É cada vez mais comum na população as alergias e intolerâncias alimentares. Uma das causas do aumento do número de pessoas com estas condições é o progressivo consumo de alimentos industrializados. As alergias e as intolerâncias são muitas vezes confundidas, isso porque um mesmo alimento poder desencadear as duas condições e estas podem causar reações adversas em resposta aos alimentos.

As ALERGIAS ALIMENTARES ocorrem logo após a ingestão de alimentos, envolvendo reações imunológicas. Na maior parte das vezes, é causada por uma proteína (ou parte dela) do alimento, não podendo assim, ser usado o termo “alergia à lactose”, já que a lactose, encontrada nos leites e derivados, é um carboidrato, não sendo assim, capaz de estimular o sistema imune. Alergias podem ser imediatas ou tardias. As imediatas são de fácil identificação, ocorrem instantes após a ingestão do alimento. Estas são denominadas reações de hipersensibilidades do tipo 1, mediadas por IgE (anticorpo - imunoglobulina E). Em resumo, o mecanismo é este: um pedaço de proteína mal digerida entra no corpo, estimula a produção do anticorpo IgE, que induz a produção de respostas alérgicas (histamina), responsável por sintomas como inchaço, vermelhidão e coceira. Alergias tardias são mais difíceis de serem percebidas, pois os sintomas podem aparecer até 4 dias após o contato com o alérgeno (substância que induz a alergia). Neste caso, outros tipos de anticorpos e células do sistema imunológico podem estar envolvidos, mas os sintomas são semelhantes. As alergias alimentares podem causar como urticárias (vermelhidões), dermatites, rinites, sinusites, asma, e até quadros graves como edema de glote e anafilaxia (reação potencialmente fatal). Os alimentos mais comumente envolvidos em REAÇÕES ALÉRGICAS de ambos os tipos são LEITES e seus derivados, TRIGO e seus derivados, FRUTOS DO MAR, OLEAGINOSAS, SOJA, MILHO e OVOS. ADITIVOS ALIMENTARES, a exemplo de corantes amarelos e vermelhos podem também causar alergias.

As INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES são reações adversas a alimentos causadas por características do indivíduo, sem envolvimento de mecanismos imunológicos. Um exemplo clássico de intolerância é a intolerância à lactose, causada por insuficiência da enzima lactase, que quebra (digere) o carboidrato do leite em duas partes (glicose e galactose), que podem ser absorvidos. Adultos têm naturalmente menor quantidade de lactase em seu intestino quando comparados a crianças. A intolerância à lactose pode ser causada por DEFICIÊNCIA GENÉTICA DA ENZIMA (INTOLERÂNCIA PRIMÁRIA)- quadro mais grave e raro, detectado ainda na infância. A INTOLERÂNCIA SECUNDÁRIA a lactose pode ser consequência de diarreias prolongadas, uso de laxantes e disbiose intestinal. É um distúrbio temporário e de menor gravidade e os sintomas são, em sua maioria, gastrintestinais, como náuseas e diarreias, embora sintomas sistêmicos possam aparecer em virtude da alteração da saúde intestinal.

Existem ainda reações tóxicas, causadas por substâncias presentes em alguns alimentos. As AMINAS BIOATIVAS (substâncias toxicas encontradas em vários alimentos - queijos maturados, cervejas, embutidos, molho de soja, chocolates e carnes defumadas) são substâncias frequentemente associadas a estes quadros. Peixes, moluscos e crustáceos mal conservados podem conter quantidade significativa de histamina, e assim, quando ingeridos, podem mimetizar alergias. Alimentos fermentados como queijos e vinhos, assim como frutas, ao exemplo do abacaxi, contêm tiramina, uma amina bioativa associada principalmente a cefaleias, assim como a octopamina presente em frutas cítricas. Aditivos alimentares como realçadores de sabor (glutamato monossódico), conservantes e corantes artificiais também podem causar reações deste tipo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1.PASCHOAL, V.; NAVES A.; FONSECA, A.B.P.B.L. Nutrição Clinica Funcional: dos princípios à prática clínica. São Paulo. Editora Valéria Paschoal Ltda., 2007

2.UNTERSMAYR, E.; JENSEN-JAROLIM, E. Mechanisms of type I food allergy. Pharmacol Ther; 112(3): 787-98, 2006.

3.ALERAJ, B.; TOMIĆ, B. Epidemiology of allergic diseases. Acta Med Croatica; 65(2):147-53, 2011.

4.TABAR, A.I.; ACERO, S.; ARREGUI, C.; et al. Asthma and allergy due to carmine dye. An Sist Sanit Navar; 26 (Suppl 2): 65-73, 2003.

5.BEAUSOLEIL, J.L.; FIEDLER, J.; SPERGEL, J.M. Food Intolerance and childhood asthma: what is the link? Paediatr Drugs; 9(3):157-63, 2007.

6.DEL RÍO-NAVARRO, B.E.; SIENRA-MONGE, J.J. Food allergy. Bol Med Hosp Infant Mex; 50 (6): 422-9, 1993.

7.LEVITT, M.; WILT, T.; SHAUKAT, A. Clinical implications of lactose malabsorption versus lactose intolerance. J Clin Gastroenterol; 47(6): 471-480, 2013.

8.NAILA, A.; FLINT, S.; FLETCHER, G.; et al.. Control of biogenic amines in food–existing and emerging approaches. J Food Sci; 75(7): R139-50, 2010.

9.LEIRA R, RODRIGUEZ R. Diet and migraine. Rev Neuro; 24(129):534-8, 1996.


Fonte: http://www.vponline.com.br/blog/home.php/ Matéria adaptada
1

 

Inovando Sìtes